Leituras: Não sou uma dessas – Lena Dunham

Em 22.08.2015   Arquivado em Música e Livros, Resenhas

Oie! Tudo bem?

Hoje o post é um pouco diferente e pretendo fazer posts desse tipo mais vezes, em parte como forma de incentivo para que eu leia mais do que normalmente consigo.
O livro de hoje é o “Não sou uma dessas”, de Lena Dunham. Ela é criadora, roteirista, diretora, produtora, atriz e tudo mais da série Girls, da HBO. Com a série, Lena recebeu oito indicações para o Emmy, ganhou dois Globos de Ouro (incluindo Melhor Atriz) e foi a primeira mulher a receber o prêmio Directors Guild of America na categoria comédia.

naosouumadessas_1

Nunca assisti Girls, não sabia absolutamente nada da série ou da autora além dos comentários positivos feitos por algumas amigas, mas mesmo assim arrisquei e aproveitei uma promoção na Amazon Brasil para comprar esse livro. E eu amo Amazon brasileira, mas isso é assunto para outro post.

naosouumadessas_2

O livro é completamente diferente dos livros que costumo ler, mas achei bem interessante. É um compilado de relatos pessoais sobre variados temas e trata da infância de Lena, os conflitos da adolescência e tudo que ela passou, sendo mulher, até conseguir chegar onde está hoje. Fala de amor, sexo, padrões de beleza e da sua relação com o mundo. A autora é feminista e aborda o feminismo de forma, digamos, indireta, no decorrer de todo o livro.

Lena é franca, a ponto de se tornar constrangedoramente sincera. A narrativa tem um ritmo fácil, engraçado, e “Não sou uma dessas” teria tudo para ser um dos meus livros preferidos, não fossem algumas coisas que me deixaram um tanto incomodada, principalmente se tratando de uma autora feminista. Por exemplo: em alguns pontos do livro senti uma hostilidade sutil na forma de tratar mulheres e me senti desconfortável ao ler trechos onde ela, de certa forma, invalida o feminismo de outra mulher por ser mais “radical” que ela (e diz que a tal moça, por ser mais radical, se tornaria “pior que os homens”), ou considera cantadas de rua como “elogios” e trata disso justamente no capítulo “10 razões porque eu <3 NY”.

Enquanto eu lia, várias vezes tive vontade de abraçar a Lena e dizer “miga, a gente precisa conversar sobre sororidade… e sobre outras coisas também porque isso aí não tá certo”. Em outras palavras, senti que o feminismo da Lena é, de certa forma, um feminismo de elite. Aquele feminismo “cor-de-rosa e fofinho”, que os homens acham bonitinho, e com o qual eu não me identifico, mas não invalido (diferente do que ela fez, no livro, com a tal moça “radical” que a criticou).

Apesar disso tudo, eu gostei do livro, sim. Lena era uma criança rica, bem problemática, e por vezes assustadoramente paranóica, mas se tornou uma mulher reconhecida em um meio majoritariamente masculino. É isso que, para mim, faz o livro especial. Ela é uma mulher real, como eu, que passou ou passa por situações de assédio e violência de gênero todos os dias. Eu posso não concordar com algumas das visões de mundo de Lena Dunham, mas o fato de sermos mulheres vivendo em uma sociedade machista nos une.

naosouumadessas_marcadores

Dá para notar que sou a louca dos marcadores, né? haha Tenho hábito de marcar frases que gosto, então uso esses marcadores quando o livro é meu ou faço uma espécie de “fichamento”, anotando frases que gostei mais, quando o livro é emprestado.

Sempre que eu fizer resenhas de livros, pretendo selecionar algumas frases que achei mais interessantes no decorrer da leitura. Sem dar spoillers, logicamente. Em “Não sou uma dessas” uma das frases que mais me chamou a atenção foi essa da imagem abaixo, que aparece logo no início do livro.

trechonaosouumadessas

Bom, é isso. Como falei, “Não sou uma dessas” tinha tudo para ser um dos meus livros preferidos, mas não foi. Acontece, né? Mas é um bom livro, honesto, interessante e vale a leitura, com certeza!

E vocês? Já leram “Não sou uma dessas“? O que acharam?

  • Arely

    Em 22.08.2015

    Eu gosto do seu hábito de marcar frases com adesivos, só que eu estresse, mas, eventualmente, perder as frases. Ele tem inspirado muitas mulheres, inclusive eu, para discutir questões que não são considerados adequados. Vou sentir falta de sua série Girls. Ele conseguiu personagens interessantes e profundas, sem descurar a pouco explorado na combinação de humor e drama de TV (Deixo o trailer http://br.hbomax.tv/movie/TTL606985/Girls-06-Eps-01), por isso é um dos melhores series para esta geração.

    Responder